Bizarro

Uma bizarra noção, a da palavra dita,
Pronuncia-se e acabou, se a escrevo
Se fixa, se vale ou não, depende do
Compositor e não da validade oportuna

E do espécime, mas bizarras, quanto
Mais melhor e belas, as ditas por nós
E os silêncios pelo meio e dentro, graças
À voz, outra noção bizarra, fraca ou grossa,

Dependendo do conjunto, corpo e alma
E a faculdade de ouvir, a crença, se de noite
Quando sente ou nota o coração mais,
Se dia, dita perfeita e com fé que haja

Alguém ou algum caminho tal como o meu,
Bizarro, igual a ninguém, apenas a uma
Lembrança que em minha pronuncia há,
Bizarra noção a da palavra escrita,

Magnífica quando nem o entendimento
Entende, quanto mais o coração que
Não soa ao eu poético, mas à razão, bizarra qb
Para ser poesia e ilusão de pertencer a gente

Duma bizarra nação, a da palavra “ditada-
-Por-mim” …

Joel Matos (02/2017)
http://joel-matos.blogspot.com

A onze graus da esperança toda

Faltam sonhos
Nas casas da esperança,
Voltam calmos quando
Deles se fala pra dentro,
A outra fase do silencio,
É a lembrança partida,
Que destes tenho e dessa sobrevivo
Instante a instante,
Momento a momento,
Quando os sonhos voltam aos anjos,
A casa dos sonhos é ao fundo,
Na estrada
Para Entepfuhl,
A onze graus North-West
De toda a esperança e que me levará
Até ao fim do mundo …

Jorge santos (02/2017)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Sempre que desta falo …

Sempre que desta falo,

Metade é dom do luar, a ilusão,
A outra, humana completa,
A fala, ela com que conto
Como e do que é feito o pensar,

Tal é o caso daqui e agora,
Os sentidos mais são sobra,
Atraiçoam a imaginação,
Como ind’agora ao sonhar

Sonhos múltiplos disto pintados
De fresco e framboesa citrinos,
Todos em tons de laranja,
Omiti infelizmente do luar o tom

Metade e o espírito deste conversa
Não expressa, o que deveras
Sinto na humana metade minha
Que resta, que fala sempre que

Falo e me detesta sempre que
Falo desta na voz que Deuses
M’emprestam e consentem em
Parte, a palavra pequena, pequenina,

Pequenininha, minha …

Jorge Santos (02/2017)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Se …

Se fosse um axioma natural,
O destino meu seria d’ouro
E isso que digo verdade
Insofismável, não estaria

Inquieta tanto, esta alma
Minha escrita, pondo todas
As esperanças em sentir ser
Poeta de todos e não ilegal e igual

Enquanto vivo, pois sinto que
Vida é isto que escrevo e não
Apenas enredo sem actores
A sério, senão eu actor e acto

Hipócrita. i’nda assim publico o que
Nem sinto, nem o choro assoma
Como alego e divulgo naturalmente
Tal como detergente ou sabão azul,

(Ao quilo, – 21 gramas-) …

Jorge santos (01/2017)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Eu erro o ar que meto…

Eu erro o ar que meto plo osso do nariz,
O mero deitar-me com o que fiz
E levantar-me com o “se nada
Fosse”, como se tivesse eu perdido

Todos os fios das madrugadas, o frio ar
Que não respiro nem lembro se,
E começo de resto zero outra vez,
Sou feliz pouco por isso, não lembro

O que perco e porque morro da fala
Todos os dias um pouco, fosse
Por medo de errar o que da sorte
Se diz e o esquecimento que me

Cobrirá, do que a terra molde
Em acerto e normalidade
Eu erraria o ar que respiro menos, forço
O fazer falsa parte daqueles

Que vêm simples, os símbolos de ver
Dos olhos cansados da Terra
E o que nela ocupam na largura,
Do peito ao dorso, esse não tão oco

Como meu, que o ouço não respirar,
Eu erro o ar que meto plo osso do nariz,
No meio da boca torta,(um pouco)..

Jorge Santos (01/2017)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Coração de ninguém …

Coração de ninguém,
Mas ainda assim de
Alguém que no lugar
O tem, sem saber que tem

Um que é meu e pró que serve,
Talvez tenha eu um outro seu,
E pense não ter nenhum,
Embora não saiba o que é ter

O coração d’outrem dentro d’mim
Que não é do meu corpo, se o
Mesmo não sinto como
Meu, até na dor que

Outros têm e não eu,
No coração que não
É meu, é do mundo inteiro
Coração que a todos

Dei, todavia nem eu
Sei sentir como todos
Os outros que pensei
Nem coração terem,

Por isso dei o meu todo,
Ou quase todo, sem ter
De volta outro ou outros mais
Doridos que esses, doutros

Que não possuo mais
No peito meu, tão morto,
Tão curto, estreito e gasto…

Joel Matos (01/2017)
http://joel-matos.blogspot.com