Uncategorized

Meu mar eu sou

Teu mar eu sou, igual a ti
Jogo em bruto parábolas dentro, no fundo
Dou ao mar a dor a meias, sou/nasci
Da solidão q’vem em rocha e cisão

Dentro dele, no cais das
Redes de há-de-mar-sem-rumo
De-haver mar, vou ou fujo sério
Se mar cão houver, não vou.

Sou quem de mar sujo
Se veste, cego eu jogo e afundo
Palavras nele, o voo
Me devolve ao mar, fuga

Ou paixão ou só mar, em volta
Mar sou, blindado peixe morto
Do mais profundo e negro/gordo
Que ianque vão/ingrato, porco

E desse outro modo que não eu,
Eu meu mar sou e a falta
Me sabe a sal a meu o mundo,
Mal é ter gaivotas algas pretas, gosto

Na língua de orar, ciumenta a
Areia quando me peso de ideias cheio
Do que do mar é mar caiado
E meu, me falta murar o que penso

A mar e em volta e eu cayac, infame a
Perca de mar lavado, impresso
Meu berço a sal embalado … exilado
Embala-o as ondas vagas largas,

Meu medo a ser lavado em falso,
Hoje amanhã cedo, trovão galgo
Quando do mar, grego o fogo,
O cenário da guerra, óleo sujo e a terra,

Vermelho azul “inhaque”, cimento
Ou o branco escorço da proa
Lança, “bivoac” ou chapéu canário
De palha aceso e eu ingrato, inchado

Descanso no mar que aqueceu, acendeu
Inflamado o mar Egeu, amargo de
Cianeto, castrado o Santo, o Sapo
E os Infantes prisioneiros das balsas

Dos servis, jangadas de Pedra e ossos…

Jorge Santos (Março 2022)

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

Espírito de andante …

Espírito de andante

Aconteceu em Cuba e o que sucede em Cuba por lá “se queda”, sem remorso, culpa ou ideologia reformulada, desenrola-se não muito depois do rescaldo da crise dos mísseis da mesma ilha e em resposta à instalação de armas nucleares na Turquia, Inglaterra e Itália em Abril/Maio de 61, foi no início duma jornada Juvenil da Internacional Socialista, ainda me encontrava hospedado em Habana, no núcleo das “Comissiones Obreras”, daí partiria para a segunda maior cidade de Cuba, Santiago, na qual representei o Movimento de Esquerda Juvenil, pimpolho de lenço vermelho ao pescoço como mais dois camaradas “de armas” da recém criada Juventude Comunista, nessa altura acompanhava-nos como não podia deixar de ser, devido à nossa pouca idade e experiência revolucionária, um saudoso “Pai” Cunhal, bem mais velho ou antes “avô” político e o falecido muito recentemente, com 101 anos de prestável juventude, Jaime Serra, em nome da comissão política do comité central e posterior Co/fundador do MDP/CDE, movimento precursor do futuro Bloco de Esquerda, com o José Manuel Tengarrinha, nesse tempo ainda membro do Partido Comunista Português, assim como posteriormente o compositor António Vitorino de Almeida, mais tarde ele candidato à Presidência da Republica Portuguesa. Podia sentir que vinha uma tempestade a caminho, o céu estava fumado a negro cor de chumbo, as aves procuravam abrigo nos velhos beirais, o cheiro inconfundível a ozono estava por todo o lado, na pele e mesmo no quarto sujo desarrumado, antiquado e com vista privilegiada para um Mar das Caraíbas cor de Cobalto enegrecido e negro, com gaivotas gritando no parapeito na tentativa de entrarem pelo quarto adentro sem demora e de qualquer jeito, lembrei uma pensão que havia na vila alentejana onde nasci, Grândola – Vila Morena, embora longe do mar ouvia-se nos búzios, encostando ao ouvido o ar que do mar trazia o ruído das ondas, era a “Pensão Fim do Mundo”, mais tarde num segundo ou terceiro encontro furtuito e mais demorado, haveria de contar ao Luís esta sensação de fim do mundo que senti em Havana e que caberia “que nem uma luva” para descrever a solidão da Patagónia Austral Chilena.
Luís Sepúlveda não fazia parte deste encontro de ideologia Marxista, já nessa época era dissidente dos ideais Comunistas, ombreei por acaso com o escritor num lobregue boteco em Habana, na mesma praça onde Trotsky, no exílio teria passeado com os seus podengos no entender de uns quantos, ou galgos segundo alguns outros, cortei-lhe o passo pouco antes do autocarro que se haveria de atrasar um pouco na partida para a outra urbe onde se realizaria o Congresso, olhou-me demoradamente por alguns segundos como se quisesse revelar algum segredo guardado no interior dos fundos olhos cinzentos/verdes, destacava-se pelo porte imponente, de certa forma autoritário mas manso, dir-se-ia de um Escobar magnífico e pacifista, penso que por esse tempo ainda era amigo pessoal de Fidel Castro embora fosse considerado “persona non grata” da “Nomenklatura” Bolchevique ainda vigente e vicejante na URSS, já o conhecia, de capa e conteúdo, pelas “crónicas de Pedro Nadie”, um dos primeiros livros deste apaixonante autor, notável pela simplicidade pungente, realista que imprimia nos contos que escrevia, limite-me a cumprimentar com um leve aceno de cabeça a que ele respondeu educadamente na mesma maneira, quando me sentei, no lugar da mesa corrida que esta ocupara antes, reparei que tinha esquecido um manuscrito, O fim da historia, “El Fin De la Historia”como vi pela capa, tentei devolvê-lo numa rápida corrida porta fora do bar, mas sem sucesso, havia desaparecido do alcance e da minha visão. Mais tarde, no regresso, devorei aquele manuscrito antes de o devolver ao editor e o que para mim seria a obra prima do escritor, o Patagónia Express, adquiri-o ali mesmo, no “hall” de entrada do hotel (foi a minha passagem, o meu bilhete privilegiado de peregrino Andino e em primeira classe para uma aventura austral sobre duas rodas, uma quimera qual viria a encenar algumas décadas mais tarde e que terminou menos mal em Ushuaia, desde Santiago Do Chile pela jamais inacabada Via Austral Andina) lembro-me tão bem como fosse ontem, li-o de uma assentada, em Castelhano, sem bocejar, no cair da noite, o livro era curto, cabia na mão meia aberta, enquanto repousava no outro braço a cabeça, ao varandim das antigas e mutiladas Cortes de Espanha em Quito, transformadas séculos depois em hotel decadente e em que ele descrevia, sentado naquele mesmo balcão sujo e branco, com esmero caracteristico de bom observador a Plaza Grande ou “Plaza de La Independência” de Quito, tão real que quase me entrava pelo olhos dentro enquanto assistia aos grupos de musica tradicional e carteiristas “surripiando” imodestamente e à pouca luz, pobres e incautos “campezinos” que se aglomeravam ingénuos perante músicos quiçá cumplices de faina. Encontrei-o posteriormente por sorte, penso que por volta da primavera de 1988 ou 89 numa aldeia remota, parada no tempo, nas chamadas terras Altas Andinas, em Unt Pastaza ou em Nankauk, não lembro muito bem qual delas, porventura ainda hoje habitadas pelos indómitos guerreiros Shuaras ou Achuaras, Jívaros como habitualmente chamados e famosos pela tradição ritual de encolhimento de cabeças como troféu de guerra. Entretanto este autor e de certa forma já o considerava quase um amigo de longa data ou jornada, escrevia outro inequivocamente belo romance, Do Velho que lia Romances de Amor, ficcionado na floresta húmida e de conteúdo magistral de muito bem descrito, talvez nem tanto como Gabriel Garcia Marques a pintalga de místicos e significantes sombreados nos Cem anos de Solidão mas com mérito também de mestria e de quem comunga um espaço e uma região inspiradora e inigualável como esta, um bem comum da humanidade em tons verdes e em sons benignos.
Bebíamos todas as monótonas tardes como num ritual mágico inspirador, a formosa “Caxiri” e a “Ayahuasca” pura, vinho da alma ou “cipó de morto”, bebidas que permitem o acesso ao mundo sobrenatural dos mortos, durante o qual nos transformávamos em “entidades sobrenaturais”, presentes na cosmologia indígena. O povo da aldeia chamava-nos de Apaches ou estrangeiros, há coisas que não se esquecem, a personalidade galante e magnética com o contraste agreste e agressivo da vocação Sandinista deste, que me confidenciou depois de algumas semanas de contacto diário nos dois meses e meio que fielmente convivemos em “Pastanza” com este povo admirável e heroico, também ele eleito de luís Sepúlveda foram uma mais valia para a minha simples existência e sem dúvida na minha produtividade como “arremedador” de outros escritores porventura mais prestáveis e eles sim verídicos pensadores, penso apenas que fui ao de leve agraciado, acarinhado de longe pelos deuses nesta minha demanda terrestre e prosaica por antigas atitudes espiritas tentando decifrar o que faço aqui e a razão simétrica que leva a desconhecer-me quanto mais aumenta em mim e por outro lado “um outro eu” de conhecimento menos empírico e que vem de dentro de mim mesmo e no meu antigo espirito de andante sem destino.
Claro que o que conto não é ficção gratuita, embora garantidamente não seja tudo – “bem-de-verdade” – e nem apenas Hoffmann e Jules Verne foram únicos a contar historias sensacionais, pitorescas fantásticas, muito pra’lém das mil e uma cenas da persa Xerazade, uma tempestade com Percas do Nilo só lembraria à Agatha Christie tendo um conto de Hoffman dado Origem ao Quebra nozes do Russo Tchaikovski , nada mais nada menos que um Camundongo cinzento cossaco e negro, um horrível ratinho feio dependendo da perspectiva e do autor, se era no Verão ou de Inverno e o Czar usava sobretudo ou casaco, mas um autor, um contista nunca pode dissociar da ficção a típica realidade dos locais por onde passa ou passou, a verdade é acima de tudo uma utopia que mentimos a nós próprios todas as noites e todos os dias nas nossas antípodas vidas, os sonhos são bem mais antigos e arcaicos que o testemunho que lhes prestamos, meros rudes contadores de histórias, simples água sem fonte ou artificio que subjugue à continuação do sonho na noite seguinte e seguintes, a nora não pode ser uma ilusão ela tem de girar e chiar como a original para que seja um pouco mais real a ficção e fique perto da origem do sonhado para que o sonhador seja um facto ficcionado, ele próprio parte dum sonho íntimo, privado e original. A LSD é em parte cerebral e outro cunho, o de um cereal granuloso, é um fungo importante para a nossa sobrevivência, convive connosco há milhares de anos, domesticámos a cevada e a glicerina, o Cocktail Molotov foi inventado com etanol, a gasolina e alcatrão, à heroína chamou-se de liberdade, aos tumultos de Paris “barricada”, a “estrada dos ossos” è mais longa do que parece vista do céu e totalmente meu o amor pelo chão que piso, o que penso do paraíso é muito pródigo de licitações ventriculares mas só a mim próprio diz respeito, não é um postulado, a rainha não terá de usar véu no cabelo ou um penteado perfeito nem chamar-se de Cleópatra, falar p’los cotovelos, três dedos de testa, “ao menos” dois membros trôpegos do mesmo lado, tropeçando no mesmo genérico e genético “calhau” de tempo em tempo, em nome de todo “o nada” e em nome do nada, mudo idiota-tolo e surdo.

Joel Matos em Abril 2022

https://namastibet.wordpress.com/
https://joel-matos.blogspot.com/

Uncategorized

Nada, fora o novo …

Nada, fora o novo,
Sempre o mesmo,
Digo de mim pra
Mim, sem sentido.

Não é tragédia,
É a vida em que
Sentado vivo, quotidiana,
À nona dimensão

Dum outro, tendo
A consciência como
Escarro curvo, apenas crosta do
Que se sente, do que se crê

Que se vê, se conhece, se viu
Como crivo obstruído
De um lado apenas,
Presente amargo,

Simbolismo decadente,
Continuar o que não
Tem efeito nem sentido,
Pelo menos pra multidão

De vida suposta, suposta
A minha que imita sons
Incoerentes, mais prático
Seria ouvir que reconhecer

Útil o piano da boca,
O equívoco pouco casto,
Poluído, em que me equivoquei,
Sem tacto no queixo, presa fácil,

Mal definido nato em novelo de rato,
A única verdade minha é aquela
Que admito espessa por esparsa
Que a alusão me seja, aja solta

Ou presa …

Jorge Santos (Março 2022)

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

No dia seguinte ninguém morreu,

No dia seguinte ninguém morreu,
Por preguiça de morrer ou prodígio,
Inércia da morte, renúncia também
É pecado mortal, a opção será viver

Segundo o acto que dá expressão e conserva
A vida, banal e doce, estúpida, despida
E bruta, consoladora confortante conservadora
Embora isento do tédio peculiar em nós, é a

Dor do convicto, o parto com letra de meia trança
E em viés vem o resultado dourado e tardio,
Pingos do telhado já na bonança, assédio de
Gota a gota como numa fingida dança, o trio …

Folclore garrido aos portões da referido
Garrote. injúria é escutar lest’o vento, convicto
D’ouvir soar todos os “sins” do mundo
Em conjunto, amalgamas de ferro e lata,

Analogias não têm data nem produzem
Som que bata a dignidade de quem já
É ridículo quanto basta, extra plana
A madeira é o estrado do que nada significa

Em vida, senão podridão e orgulho postiço,
No dia seguinte ninguém morreu senão
O espaço entre mim e eu, e isso não vem
Ao caso, a imprecisão não é mimética

Nem a ciência é eclética quanto a secura minha
De boca que infusão de alho não cura,
Sou fruto de cansaço duro e por quem
Os sinos dobrarão senão por mim? como se

Falassem de fantasmas sem sombra nem
Sobra ou como se alguém tivesse na forja
Envenenado o caldo, a sopa da pedra,
A ignominia não constitui memória viva

Para quem vive desigual e com instinto
De surdo mouco, repudio ambas partes,
Tal qual gato sem dono real nem idade,
Escondido das rolas como tod’a feliz

Fraca gente, mal paga é a castidade
Do indigente de rua e a força bruta
Que já ninguém admira senão eu,

(Qual intermitentemente me calo,

Mais perante a galga desonra que’agora
À boa, insofrida morte) …

Joel Matos (12 Março 2022)

http://joel-matos.blogspot.com

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

Nunca tive facilidade d’agradecer nad’a ninguém,

Nunca tive facilidade d’agradecer nad’a ninguém,
Nem uma dor de dentes constitui pra mim
Uma aflição exagerada, sinto como um Lama
Do Tibete, não preciso agradar nem reprovo

Em absoluto, amo a tranquilidade como um recluso,
Uma obra de arte legítima, espiritual, privilegio
A intenção acima de tudo como uma cereja
Sobre um muro, coerente com o mundo

E consigo mesma, num todo a nossa substância
É igual, um resumo de matéria negra, ocultamos
Um caroço duro de roer sob a polpa lesada, a essência.
Eu nunca tive opiniões que me bastassem, no fundo

A aptidão em mim é silente, não vale quase nada
Nem interrompe o que penso assim como numa
Cidade deserta de funcionários, o silêncio também
É mudo assim como a pedra, som nenhum sai dela,

Nem o encanto é uma esquina por onde a tarde
Se evade, se esconde e eu nela, plagio o lusco-fusco
Sem pressuposto contacto físico ou um outro
Menos lícito, o assédio é uma terrível doença,

Na expressão de sentimentos cultivo a arte de
Despertar o que me incomoda, o que não acredito
Ou o que não tem solução, não quero o que não
Quero por uma questão de equilíbrio ou covardia

Perante o destino, assumo-me mercenário, por vezes
Mesmo num cenário às avessas, ao invés de cultivar
O esforço, pensá-lo sonhando – sonho-me pensando,
Pois a incapacidade de viver aparentemente cansa,

Cansa mais que viver abdicando de sentir pleno,
Caso seja uma sensação minha, um sinal de vida…
Reduzem ao mínimo as sombras vazias de conteúdo
Dos demónios da realidade que m’povoam desd’sempre …

Joel Matos ( 07 Janeiro 2022)

http://joel-matos.blogspot.com

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

E eu deixei meus olhos

E eu deixei meus olhos
Sobre a mesa que são
Doze a contar do centro
Os meus dedos que dizem

Quem sou não, pauso
A minh’alma na pele
E admito ter deixado
De morar em mim

E morro no que deixei
Por entre os dedos
Ou seja um amor inteiro
Por habitar, suponho

No centro que a mesa
Tem, um céu doce…
Doze olhos meus
Que deixei no campo,

No entanto a contar
Me perco e na pele
Dos seios teus serei
Boca, Onde deixei

Meus olhos não ando
Nem mando este
Coração lá passar, passeando
O que sinto

Por uma outra,
Uma-outra-mesa…
Preciso separar dos meus,
Pois olhos são estados,

Dois p’las minhas contas,
E eu a olhar procurando
Explicar o que vejo a quem
Quer quer seja

Mais olhos que boca ou tenha
Sentimentos vulgares,
De farsa ou
Habilidade de acrobata,

Cor de rocha, rosto meu …

Jorge Santos (Fevereiro 2022)

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

Tudo em mim,

Tudo em mim, é lento e tardio
Por isso é bom que façamos
O que há a fazer,
E Já …

Alio ao gentil e brando,
Meio metro de força bruta,
Louca, que duvido tenha dentro,
(Por Ieramá)

De verdade nem um metro
Sinto, aí entro eu, no meio tempo,
Em hora de mola e ponta,
Muito mais em frente,

Junto os cotovelos em forma de aríete,
Brado e avanço de rojo
Para o oponente com parte touro,
Quanto serpente,

Mais perigosa a calmaria,
Que a afronta, Deus vive
E é imundo, eu parto quebrando
Quem se atravessa,

Que venha o bando,
A remessa de sabujos,
E o nojo que faz parte da orgia
De fazer parte,

Da infâmia, da calúnia,
Do engaço,
Sendo Deus virgem,
Não é deste mundo,

O arcanjo pra mim é o muro
E o silêncio me ensurdece,
Lamento muito, lamento
Muito, lamento muito …

Jorge Santos (Fevereiro 2022)

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

Meu instinto é dado pelos dedos mindinhos

Meu instinto é dado pelos dedos mindinhos,
Minha ilusão doada por videntes vários, sendo dois
Creio nas sensações que sinto, bora nem sinta
E ainda que estranhas estas, quais concorrem

Na minha pele fina como fosse vulgar tela,
íntima e tão próxima de mim, no cabelo colado
Ao corpo, nos cotovelos se finca, inda que dobrados
Sob mim próprio, sob a nuca em novelos,

A minha felicidade não é humana, fendida
Em proporções desiguais como uma cana,
É uma amálgama das coisas mais estranhas
Vendidas por um sinistro ser sem olhos

Numa sinistra ameia, pendente nas pontas
De seis dedos, magro oco meu tronco, comprado
A troco de nada ou por coisa pouca, colado
Em pedaços sou menos que uma pequena coisa,

Inumano por completo, duvido do que vejo
Ou conheço com vida própria, engano dos olhos
A paisagem é um letreiro sem graça, na vidraça
Baça da janela um mundo bafejado, visão do vazio

Onde qualquer coisa esvoaça, secreto espectro
Da descrença, a ânsia fria de não ter partido
Com receio de me perder no escuro, antes
Mesmo do despertar e do dia madurecer

Semelhante a outro ou como imagem num
Espelho, mal impressa e incoerente vista de fora
Pra dentro, indistinta e de estatura média,
Assim minha alma segreda ao instinto menor

Da mão destra …

Joel Matos ( Fevereiro 2022)

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

Até que mais seja

Toco no que há,
Até que mais seja

Meu mestre e amigo
Em teu coração partido
Toco, no que dele resta
Até que tudo tenha

Conteúdo maior neste
Meu que tanto odeio,
Quanto me despreza
Com uma tal força que

Nem em mim conheço
Ou possa ser sentida
Por qualquer ser vivo
Que nem alma possua,

Meu mestre e amigo,
Dá-me “tenção” de criar,
Concilia meu intimo
Real com teu ímpeto,

Até que seja o que há,
E nunca passou d’sonho,
A coisa q’jamais fui ou serei,
Sou agora um dos mais,

Eu coisa alguma, a sós
Comigo jaz um espírito
Comum como dois iguais,
Meu mestre e amigo,

Leve rasto, brisa gentil,
Álvaro de Campos +

Joel Matos (Janeiro 2022)

http://joel-matos.blogspot.com

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

O facto de respirar …

O facto de respirar …

O acto de respirar pod’nem ter poesia,
E o que realmente não tem, não pode,
Nem faz parte, é a vontade contida, vil
Assim como um suster de respiração,

De quem vive sem respirar noite’dia,
Supondo sonhar por completo, de
Cada vez que respira por dever, seja
Por aval ou por decreto sabático do

Umbigo, não sente a essência que pariu
Do luar tão longe, o ar aqui tão cercano, discreto
Sem ser dia demarcado, feriado d’arcanjo
Sem função, inté’pode ser domingo, santo

Meio d’tarde marcado a chuva mediana
E vento potro, folhas rasgadas dum outro
Livro macabro, o apocalipse segundo
O anticristo dos crentes, seguro facto

Benevolente segundo outro indigente
Messias, Mariano e antigo na solução
De mistérios, enigmas banais da vida
Onde a respiração tem ritmo próprio,

Age p’la renúncia a ela mesma, sofre
P’lo facto de respirar pra dentro, ironia
Da culpa não do destino, sem bilhete e
Tornar de volta semelhante a “acto-fim-

-De-peça” o “bis”(em que o diabo de quatro,
O actor, volta sempre à cena, assumindo
Quem representa, por vezes Fausto ou
Hospeda Job entre paredes falsas de quarto)

Eu queria ter nos olhos o vidrado fosco
Da demência mas vieram roubar-
Me a paz, as aves, aquela saudade benevolente,
Verdadeira, real que mais não verei,

Nem nunca inspirarei por vontade, vaidade
Análoga à própria ideia que faço, falsa verdade
De mim mesmo quando respiro ou bocejo,
Já que não dependo senão do que o destino

Me dita …

Joel Matos ( 17 Dezembro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com