Uncategorized

Sem nada …

Sem nada …

O amor não tem campainha
Quando passa, é um comboio
Sem maquinista nem freio,
Despedaça-nos, destroça-nos,

Ferra-nos a meio sem avisar,
É fatal o golpe e profundo,
Mais terrível que da morte
A dor, não é religião nem

Crença, contraditório à sorte
Amar é o ter, como companhia
Da orelha esquerda a cara
Do meio, metade olhando-se

Metade se consente, a minha face
Girando sobre ela própria,
Estender um braço, ligar-me
Aos gestos d’ontem (o soar da sineta)

Atirar o tédio pra debaixo
Da mesa, dar duas palmadas
Na vida, sentir prazer íntimo
Ao ouvir disparates e a ironia

Que é ter fome, estando farto,
Ter entusiasmo desmedido,
Tendo de facto emoção por
Companhia e uma campainha

No ouvido, um comboio no
Coração, a esperança na parte
Do rosto que era só minha,
Sol posto solidão a meias,

A sineta da estação, o comboio
A dar a partida, não sei se uma,
Duas vezes ou os dois de abalada,
Um de cada vez, s/companhia,

Sem nada …

Jorge Santos (24 Fevereiro 2021)

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

Humano-descendentes

Humano-descendentes

São concomitantes as falhas na luz nos espíritos de cada um de nós com a falta de almas evidentes e com luz que não seja intermitente, existências exógenas, sem progresso nem aprendizagem neste vago universo, tão em voga, tão falado como tema contemporâneo, o baldio rasteiro transforma-se em ambiente pantanoso e pouco sadio, pouco culto e é onde infelizmente se instalam nas lixeiras sujas as porcas seitas, deslavosas e pavorosas imundices que se propagam e propagueiam, pavoneiam com as mais rafeiras, reles intenções, se extinguem as luzes da ribalta e invertem cultas leis, cânones sagrados “per saecula saeculorum”, por tempos infindáveis, fez-se “tabula” rasa de princípios profundos, endógenos, seculares e saudáveis de coeva convivência com o nosso edificado condómino, o planeta, o sistema astral, a mãe Terra. Os fins julgados convenientes são o abastecimento de riqueza infinita a alguns em prejuízo das colossais maiorias que nem o sustento mínimo conseguem alcançar, mante-los exclusivamente focados na mera manutenção da continuidade, na fraqueza dita evangélica, seja talvez e é porventura um propósito objetivo maior e não mera casualidade ou apenas ganancia simples pelo poder, mas o perpetuamento da sujeição, da obediência cega de muitos no interesse dos muito poucos, de alguns seres “in substantivos”, nada obstante agregarem miséria e morte, ingratas ao toque mas que se palpam constantemente, consistentes se cheiram nos umbrais nauseabundos das mansões e nos portões das residências de luxo de cardeais e bispos mal ordenados, apinhados de defuntos mortos e moribundos não apenas de consciência, total é o genocídio, bárbaro, desumana perpetuação do poder maligno, perverso de algumas minoritárias e suínas seitas sobre todos nós, descrentes, pouco sólidos em nós mesmos, culpados humano-descendentes.

Jorge Santos (23 Fevereiro 2021)

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

“Phallu” de Pompeii!

“Phallu” de Pompeii

Estou ciente da minha reputação canina, na minha menor dimensão, pequena pequenina e rasa, busco no conflito o acto de contrição, mesmo onde não divirjo, concordo fielmente e apenas comigo próprio, não finjo amizades nem as rejeito, em mim a discórdia é metafísica de paciente inglês, proficiente e proeminente, mesmo que ele/ela se guardem castos em imaculados pedaços de granito, palhotas de negros/pretos na África pisada por brancos com dentes podres, na cama de acrobatas circenses ou em frente a espelhos baços, costas com costas, rabos com rabos ou sob um velho frigorífico ferrugento, não recolho das palavras preferencialmente a estética, a coerência ejaculo-a, ejaculo e aposto nas mais desfavoráveis, desagradáveis, nem as mais estéreis me assistem como fronha, integras palavras ainda me servem de cachimbo na raia da boca torta, nos queixos urbanos, assumo-as desaprumadas, sujas e fodidas quando digo “vai pro caralho” ou ”pra puta que te pariu”, sigo um carreiro e tenho curto poiso nas estradas asfaltadas , tenho como princípio básico o signo das emoções fortes feias, sujas, horrendas, não penso com frases perfeitas, não rimo nem as peso em função do estilo, da linha do momento, não as arrumo no comprimento do prepúcio, do pensamento, não preciso dele, mas de algo mais que aprofunde, que vaze, extravase do que falo, “Phallu” de Pompeii, de Pompeu o Druso, o urro do Minotauro, assim como da ciência do fauno, do prelúdio no sexo, a da criação do fogo, da instabilidade do mundo, da inabilidade do líder de lidar com os sentimentos abjectos dos seus cativos e ao de cima do coiro cabeludo dele mesmo, do parapeito onde o dragão se imola de inaceitabilidades animalescas, no choro puro da criança ao vir ao mundo, do açoite no rabo. Esta a minha magnifica essência, apenas a vontade dura me interessa, a animalidade, a fúria do álcool etílico, das ideias, a respiração débil do ultimo Messias que veio ao mundo, a inspiração depravada de Eneias, das conquistas e o meu ser vil despedaçado e desprovido de inúteis bagatelas, ninharias, provido de pesados pesos e ironias virgens, como aquelas em que me tenho aplaudido e de que me acuso, de opróbrio e de má reputação, sevícia, anormalidade bruta, mesmo que me saiba a cru, não reduz o que digo num ponto, numa virgula, ouço-me rir das possibilidade que tenho e num segundo plano para Jesus e todavia tais poderes renego, como próprias da natureza estranha e minha que esgano com exageros exagerados e coisas demais incriadas, que guardo no centro da mão direita, a do “falo” criador, aquele com que pinto de verdade e em sémen, exteriores descoloridos de triunfo beato e sargetas de perfumes sequer meus, mas de mim mesmo impressos, desagradável incomodativo e severo como um caralho primitivo, o carvalho do Druída, Compreendo que me fixem nos olhos e digam que sou incapaz de sentir, mas a minha riqueza é a sensibilidade como nos dedos um cego a prudente descrição dos céus pode ser uma experiência divina ou a nudez de uma puta de estrada vista como uma donzela gaiteira na descrição minuciosa de qualquer míope estrábico descreveria provas as amorosas curtas breves insonsas desta como as mais prazerosas, lascivas no universo. Me seduz do canhão, as ogivas, as orgias do carnaval, a dinamite a antracite, os segredo nas profundezas difusas de uma garganta funda ou na almas nos assassinos homicidas e pedófilos deste mundo e dos outros, dos mais feio, a mecânica nos ignorantes, nos idiotas, a dos monstros não acidentais nos músculos e na cabeça, do falso transeunte em busca da vítima no escuro, na esquina, contra o muro, da marreta, do esmagamento dos membros, no peito do carrasco ao carcereiro, tudo isso me interessa porque é imundo assim como uma linhagem primitiva de passados que evolui e que evoco com consciência mórbida e estado de alma pungente, embora recuse uma outra reputação por não ser minha nem eu algo que estagnou, a sensação dum lago morto, abrupto, sendo eu o da monstruosidade assumida, o da má-fama, a espuma negra do nojo, o “Phallu” de Pompeii ou o escroto do Basileu em Mycenae, na antiga Grécia …

Joel Matos ( 18 Fevereiro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

Confesso-me consciente por dentro …

Confesso-me estranha e extremamente consciente da pouca voz e da minha vulgar opinião, rouco profissional, maltalhado na árdua tarefa de mensageiro de vocábulos, placebo sem muita voz, dono duma história simples, gutural de simples existencialismo e banal, sem experiência provada, sem palavras nem alta aptidão vocal, vocabular, pouco nobre no que digo e inexpressivo ao ponto de mesmo adormecer pensando mole, infecundo, sendo eu o meu maior enigma e o inimigo que eu próprio mais temo, tenho e terei para sempre e doravante para me diluir em dois, dividir-me para duvidar melhor, de reinventar-me ao cubo num futuro e instante plausível que pode nem vir a dar-se e a propósito de nada. À falta de imaginação e à sensação insensata de escassez de criatividade, expresso-me por chavões sem fruto e através de impressões fáceis, frágeis, alheias na maior parte das vezes e da minha menor dimensão física de “Zé Ninguém”, encontro-me impresso nas expressões faciais, nos rostos do que sinto no fundo, e em mim dentro, impróprio não só na acção ou no que faça e veja para deprimir a razão oposta ao acto vital, virtual embora até nisso o raciocínio muitas vezes dê erro, um fatal engano em y, ao sentar-me dirimido, de pernas trocadas, cruzadas, tortas, ou quando me sinto irónico e obvio, tenho-me ainda assim como um covarde coercivo, um indigno indígena de Porto-Fino, um valentão de circo, matulão convencido de praça publica, charlatão sentado, sem força embora com vigor para realmente desertar ainda e de mim próprio, fiquei-me pelo que fiz, ainda que me batam, não vou à luta pelo que vejo à primeira vista, no decote das blusas, os seios, o brilho da pele, o cetim e o receio, um aviso sem letras nem letreiro que diz, dirá provavelmente “não tens valia”, ou então, “não és senão esquecimento”, sei que não sou a conjugação perfeita nem a remissão dos pecados do peito dos outros me fará atleta da sensibilidade alheia, monarca ateu dos meus próprios princípios, o meu básico “entediamento” é moral e congénito, não demovo maçónicas lojas meio cheias de apáticos viscerais cavalheiros, nem a emoção me domina raramente menos que a cem por cento, nem determina quem há-de-me ouvir nos fastidiosos auditórios, o custo e a serventia da singularidade não é um dogma pungente, nem a espontaneidade uma acção abstrata, obscura ou bastarda, parada no tempo, cada um tem a sua própria marca ferrada ou ferroada de abelhão, crivada no corpo, somos equivalentes e polivalentes, equidistantes monólitos cerâmicos, herméticos malabaristas por de dentro quanto basta, mistérios e sombras quase sempre em nós dão erro, incompreensão, desconhecimento, nados mortos, iguais a baixos relevos, a razão nas formas das coisas consistentes, o material dos dedos, metais pesados iméritos, inéditos, misteriosos quiçá imperfeitos, quanto o nosso rosto refractado nos gelos, neste silêncio amorfo de deuses, graffitis pintados nas paredes, devoradores de temores, receios infundados, basilares subterfúgios para quem não age após ofendido e dá outra face com vontade de tornar a ser fendido no queixo e no amor próprio, um antisséptico baptizado de contrição, remorso e de culpa inócua, contradições de poeta prosaico, em itálico.
Basta me sente pra que me pense, cansado do tempo de espera, sem ideia alguma, ganhe vida qualquer coisa funda, abstrata, uma lembrança nativa da fadiga, iconoclasta insensatez procedente do cansaço vazio que é não pensar tanto, assim como uma espécie de absurdo arrependimento de que me perco a pensar e do poderia ser pensado, manifestado quando digo de mim para mim sem eco ou objecto, cada um tem do seu esquecimento uma ideia, inquilina de curta memoria, só eu não sei onde estou quando me castigo por caminhos sem saída nem asfalto, nem voo e o que penso ser real é apenas uma fantasia, um espigão, uma mera opinião minha que me achou e que me faz achar senão artesão de minha própria vontade tida, mas não, sou apenas aquele que se pensa a meio, assim como uma porta entreaberta que se acha de par em par aberta, sou eu suponho aquele que se aparenta em si mais ao sonho, que o sonho em si, ele mesmo estranho, se estranha.
Sinto-me pobre, um “ Seu Dirceu” ou um mosquito Ignicio, um certo insecto insectívoro da imaginação, aquele que nem a si próprio ou a si mesmo se inventa ou se explica por gestos, excita-me esse principio lavado e limpo, a indecisão básica de estagiário, inclusive igual ao que creio e reflcito na condição leve, breve que se me cola na língua e o corpo à carne, igual a outros e como eles, único bem que temos, sermos unos com quem nos habita, termos língua olhos e mente doutros, guarida e desterro num único lugar aparente sem que o busquemos, sem sabermos ao certo o limite do nosso território de elite, imenso… ou que ele existe, se eu existo todavia, sendo eu o infinito eternamente sou, serei “invictro” na consciência das coisas vivas e animadas, sermos nós deuses dos que se erguem da terra e os que nos levam nos ares, eles mesmo ilimitadas mutações de nós mesmo, eleitos eleitores dos nosso próprios sentimentos e paixões.
A satisfação que me é dada pelo espirito quando sonho não se compara ao mundo que faculta o sonhar, o que sinto ao sonhar vai mais além que a alegria do corpo ou a letargia do sono em que certos nervos motores se entregam a mitigar na calma o sossego e a alma, o sonho vai mais além a modelar mundos a moldar leis da física e reinos adolescentes, incandescentes e curiosos, viçosos e ao som da mente, reinos onde tudo pode acontecer, sendo eu súbdito e rei, monarca absoluto de mim, eu autentico mestre/Sensei.
A derrota da subtileza será das tristezas mais tristes e vis, mais aguda e estranha em mil e uma formas de fracasso áspero, ácido e agressivo, aquele que mais assusta e se perpetua, desapropria e aprofunda na pele, os gânglios, os cabelos, as meninges do cérebro.
A banalidade é benevolente, uma mentira bondosa tal como como o obelisco a um soldado desconhecido e morto, não deve ser cultivada nem regada de forma a brotarem rebentos jovens, assim como dois noivos em pé, juvenis, virgens de valores, viris, parados, separados, transparentes para todo o sempre, à porta do registo civil, ao sábado, ligados pelo umbigo e no simbolismo do altar vago, sem se aproximarem um do outro, nem pelo significado do sim matrimonial, bondoso, caridoso e monótono como tudo que passa sem passar, e não passa de uma ideia falsa de dualidades e bom nome, linhagem, justos irmãos e gémeos até que a morte os separe da vida, existir só ?, impossível e a possibilidade é ficarmos quietos, parados, banais e impotentes, cansados para mudar de lugar, casados de iguais sensações, feitas de canseiras vulgares e opiniões semelhantes, iguais em tudo e também no formato do sal das lágrimas dos dois, parados à porta do tribunal, sentados como sempre.
O meu futuro pessoal é certamente uma incógnita “Zen”, um lugar, uma história em que xis é menor que y e o menos desconhecido dos vectores será realmente o z-do final, um inútil zero. Sou o mais real dos meus sonhos quando me sonho, embora não tenha direito real a uma vida que suponho ser real, sem realmente a saber verdade ou imaginária, esta que possuo, mesquinha, pequenina de um zéfiro mensageiro, placebo sem voz nem percolo, filtro, protocolo ou alçapão, ainda assim considero-me consciente, por dois e “ao-vivo” por dentro, por fora não sou eu que sinto mas ainda um outro …

Joel Matos ( 18 Fevereiro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

A desconstrução

A desconstrução

Deitemos por terra
O que nos fere, a mão
E o que nos ferra nos pulsos
E derrota, a miséria devota,

O singelo e o ignoto,
O endémico desalento,
O tempo é uma goiva, tábua rasa,
Desbasta e cinzela,

A Ingratidão alimenta
Esta sensibilidade hemorrágica, fera
E insana, assim a embriaguez
A insincera fama

É uma fábula e uma redoma
Em vidro, a savana
Do tigre, o perigo do ter e haver
Perdido o horizonte, fauna

O que persigo, me persegue sem eu ver
No mato e “o por matar”,
O predador e a presa,
A respeito da vitória,

Prefiro a derrota, tem mais beleza
Assim como no outono, as flores
Segundo os loucos, não me faz horror
A viúva realidade, suprema

A avidez extrema, a honra
Da arena e o ardor do sacrifício,
A dor, o crucifixo
Inútil, o cinismo cinzento

Da corda, a trama da veste,
O ardor do momento, o suicídio
Da borboleta-monarca no inverno
Quando chove, forte e sério, feio

O arrabalde, mordaz misticismo,
Nos sonhos dos outros,
Abstémios, paranoicos,
Secundários actores,

Partilhando impressões idênticas entre eles,
Tal e qual no parto, a ausência da dor,
Eu sou a frente de combate,
Do tombadilho do contramestre-

-À proa, o guerreiro da antiga Goa,
A má-fama, o infortúnio do escravo,
A essência vassala da Sulamita do Rei Zenão,
O Vândalo das opiniões,

O cego de Bratislava,
Antuérpia e a desconstrução,
O deitar por terra, a existência eterna,
o vogal e vulgar não…

Jorge Santos (04 Fevereiro 2021)

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

Deixemos descer à vala, o corpo que em vão nos deram

Deixemos descer à vala,
O corpo que nos deram,
Deixai-o ir, com as coisas
Que se quebram, reles, usuais

E os argumentos enterram-se,
Deixai-me sombrio, morrer na terra,
Como é natural, numa concha
Onde a areia se infiltra, na campa

Se entranha, velada estranha,
Igual toda a espécie humana,
Deixem-me descer comum à vala,
Ridículo, mesquinho, profano,

Infra-humano sem futuro,
Falso Profeta, obscuro e cigano
Réu d’minha própria fama,
Como manda a lei e a norma

Nada é nosso, nem o corpo,
Mas tem de haver alma,
O corpo é uma montra,
Fixo-me a ver se o vejo,

Fico-me por tudo isso, cinza
O que não tenho, o que era físico
Grotesco mundano, insignificante
Cor de sangue, excepto

O que não nos deram,
Me revela um absurdo que não sei explicar,
E uma maneira especial, invertida de
Mágoa, mudas criaturas me velam,

Ilógicas janelas estendem-se em silêncio
Sobre campos, enterrados
Órgãos humanos, fálicos olhos, órfãos
De mãe e pai, naturais os sonhos,

A razão e o conhecimento, o instinto
Não morrem, de modo algum se enterram,
Deixem meu corpo descer à vala, comum
Como os simples, donde jamais me erguerei

Em vão, de novo …

Jorge Santos (03 Fevereiro 2021)

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

Deixai-vos descer à vala,

Deixai-vos descer à vala,

Deixem descer à vala,
O corpo que vos deram,
Deixai-vos cair, como as coisas
Que se partem, reles, usuais

E os argumentos enterram-se,
Deixai-vos senhorios, morrer na terra,
Como é natural, numa concha
Onde a areia se infiltra, na campa

Se entranha, velada estranha,
Igual toda a espécie humana,
Deixem-se descer comuns à vala,
Ridículos, mesquinhos, profanos,

Infra-humanos sem futuro,
Falsos Profetas, obscuros e ciganos,
Réus d’sua própria fama,
Como manda lei, norma,

Nada é vosso, nem o corpo,
Mas tem de haver alma,
O corpo é uma montra,
Fixo-me a ver se a vejo,

Fico-me por tudo isso, cinza
O que não tenho, o que era físico
Grotesco mundano, insignificante
Cor de sangue, excepto

O que não vos deram,
Revela o absurdo e o que não se explica,
E uma maneira especial, invertida de
Mágoa, mudas criaturas se velam,

Ilógicas janelas estendem-se em silêncio
Sobre campos, enterrados
Órgãos humanos, fálicos olhos, órfãos
De mãe e pai, universais os sonhos,

A razão e o conhecimento, o instinto
Não morrem, de modo algum se enterram,
Deixem descer à vala o corpo, comum
Simples, profano, refugo, peste…

Joel Matos ( 3 Fevereiro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

Permaneço mudo

Permaneço mudo, sereno e distante dum muro de
Medos, o ouvido tísico, meus olhos cegos
E o espírito chão, o Cã da idade das Trevas,
Pedra já velha, gasta, procuro auxílio, remédio,

Conforto, sinto minhas, as lágrimas da esfinge
Disfarçam a saudade das madrugadas, intactas
As manhãs, ao beijar na terra, a luz não
Da lua, das damas da noite, magras, emboscadas

Ou dos fantasmas da morte, silvando vagas,
Longas pegadas preces, velozes corcéis,
Vozes de ascetas magos, cavaleiros do
Apocalipse, é o fim do sempre, inquietante,

E eu permaneço mudo no pó, no caminho,
Como se obtivesse do céu a réplica de um hino,
Ao meu instinto, à minha imperfeição de ver,
Ouvir, pensar certo, nobre abdico do meu valor,

Renuncio de mim próprio, a vida não me convém,
Não contenho nas lágrimas o sal, os mares de veludo,
Nem a casta, que eu desejaria chorar, por esta
Imensa erma, extinta Terra, gasta rocha, penedos

Negros, negros cabelos, a Berenice dada aos
Deuses, sugerindo no ocaso, o fogo dos Gregos,
S. Telmo e a carícia das paisagens ardendo,
Longínquas, trémulas damas, belas e brancas,

Cal, de animal vestidas, cornos chifres, dançam,
Devolvem ao campo o sémen, o corpo, como pedindo
Expiação para o luto, perdão para tudo isto,
O ouvido tísico, os olhos cegos e o espírito mouco.

Joel Matos ( 01 Fevereiro 2021)

http://joel-matos.blogspot.com

https://namastibet.wordpress.com

Uncategorized

 

Os Dias Nossos do Isolamento

Os Dias Nossos do Isolamento

Ainda desperto da noite mal dormida a pensar ser engano, um mau sonho ou a encenação brutal e global de uma série de horror da Netflix, “Walking Dead” ou outra bastante pior. Cada dia que acaba é mais e mais difícil, o suportar deste isolamento purgativo, de purgatório e acima de tudo o futuro, a incerteza, a falta de progresso e de promessa no que pode ainda estar para vir e virá a acontecer futuramente, se haverá e há de com certeza haver, um terceiro e quarto recolher obrigatários, aprendemos paulatinamente que tudo pode agravar-se, a ser pior do que já é, do que já foi.
Sou um rebelde por natureza, cultivei e sempre tive uma certeza, algures moldada na revolução de abril, suponho genética a minha rebeldia e insubordinação contra um sistema opressor, que era um facto genérico, teria, a meio da minha incomum vida, um inimigo comum a todos, maligno e contra o qual iria lutar sem tréguas. Para mim, combater o déspota, o fascista, fazia parte dos meus sonhos de criança e adolescente e eu dei, fui dando corpo a esse espírito rebelde e romântico dos Partisans, senti que iria lutar e lutaria pela pátria, pela liberdade se fizesse falta, faria amor barricado atrás das trincheiras, nos tijolos empilhados nas praças, desta ou de outras repúblicas, subiria audaz um estrado improvisado, às costas, nos ombros de outros camaradas e gritaria vitória, vitória ou morte. Sempre me pensei um Hemingway vindouro, nomeado, “pulitzer” do jornalismo de guerra, um revolucionário.
Nada disso ! nas idas ao supermercado sossego e sonego a minha agonia de anarquista triste, não vitorioso, um Trotsky não violento, afeiçoei-me ao rebanho da porta, atrás das grades e aguardo, como que unido a uma manjedoura, respondo à ração diária de alimento ungido por um sacerdote do destino, com uma mão na glande e outra na grade de segurança que me separa do alimento diário, do galinheiro e das galinhas, não penso muito e sujeito-me, que é o que abranda o desconforto do confinamento obrigatório, à comida, à subida do nível de diabetes, o colesterol e a tensão arterial, a falta de vontade de viver, de fazer exercício físico, de correr, à má qualidade da fruta e dos legumes que o meu bolso ainda aguenta, mas logo penso em todos aqueles que vivem nas cidades superpovoadas, em pequenos apartamentos, famílias inteiras, numerosas, partilhando uma sala de estar minimalista, têm de trabalhar “on line”, os dois sem vontade para isso ou para mostrarem algo que não seja indiferença e desamor numa relação tensa, cuidar de uma ou das várias crianças, pequenas e sempre pedindo por atenção ou a estudar e mais o gato e o cão ou cães rosnando, rogando por não sair fora de portas, cansados da voltinha diária, aborrecida e em redor do bairro, da trela presa, do açaime e da máscara de tristeza do dono por muito que ele sonhasse sorrir para a vizinha noutros tempos jeitosa, talvez até a anarquista que faria amor na trincheira, no meio da praça, outrora publica, junto aos fuzis, da revolução armada, aos barris, na barricada dos insurgentes e da granada.
A saturação do ar e das relações familiares, a promiscuidade, faz dos domicílios lugares ainda mais insalubres, tóxicos até, o inverno não atenua esse sofrimento de segunda e possivelmente terceira e quarta vaga, estarmos isolados por meses em moldes de cimento armado, moldados na nossa Augusta angústia, em quadrados e quartos brancos, a pouca luz dos dias propicia a melancolia e a tristeza, um modelo constante, predatório, pausado, sempre igual, de semanas e meses, de horas e minutos, os segundos entrando como farpas na nossa pele, dilacerando a autoestima de quem está impedido, sem poder, sem o deixarem ir ao trabalho e laborar, produzir, ganhar o sustento dele e da família e neste momento, sem conhecer o futuro, o incerto, a incerteza de como pagar as contas do supermercado, a factura da luz, da água, os detergentes, a conta do aquecimento e as propinas da faculdade dos filhos, o arrendamento da casa e de todas as outras primeiras, segundas e terceiras necessidades, para as quais não há, nem jamais haverá perdão nem confinamento, nem volta a dar por mais voltas que à sala eu dê, no dia a dia do nosso constante, severo isolamento profilático.
“O pão nosso de cada dia nos dai hoje”, “livrai-nos das nossas ofensas”, são falácia pré-fabricada, massa mal amassada e o pomo ou a maçã dos nossos pecados, criação versus discórdia, ninguém dá nada a ninguém, nem as mãos, nem a igreja é composta por santos, apenas manhosos pecadores, não assumidos aos sábados e domingos, dias de mercado de gado e até as opiniões são “à vontade do freguês ou a retalho”.
Se bem me lembro, sonhava-me um futuro Hemingway nomeado “pulitzer” do jornalismo de guerra, ou antes ainda, quando me imaginava graduado em revolucionário, tinha opiniões e aspirações tantas e diversas que não me conformo agora, não me ajusto de forma alguma, com a apatia pancreática e recente, talvez sinonimo de alguma velhice, esgotado nesta virulenta, violenta e vexatória forma de recolhimento compulsivo, predatória dos instintos mais básicos de sobrevivência, aliado ao ressurgimento de infames nacionalismos inflamados, movimentos retrógrados, regurgitados dos infernos e que advogam uma politização bastarda, descabida de uma pandemia, ignorando milhares, mesmo milhares de milhões de mortes, apenas para fruírem de algum destaque, de um panfleteiro dogma, semelhante ao “terrapalmismo” que nas redes sociais se espalham, procriam como ratos, espalham-se como a peste, por uma população semianalfabeta, carente de expressão critica, que se vê de um momento para o outro e a si mesma como protagonista e narrador, repentinamente na pele de “influencer” anónima, sem rosto, “you tubers”, alguns ainda imberbes crianças, com todo o terrível ónus desta nova estripe mental numa camada alarmada, deficiente de ideais e cultura, assustada, imbecil, a recita básica, o terreno próspero, fértil para uma temida, concomitante pandemia nacionalista, bera, perigosa que se aproxima.
Os dias do nosso entediamento… (..)

Jorge Santos (31 Janeiro 2021)

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com

Uncategorized

Gostar de estar vivo, dói!

Gostar de estar vivo, dói!
Para quem possua crença,
Assim como treze mais dois,

Ser dezasseis, talvez seja,
Penso eu, uma regra a dor,
A real, não a supérflua,

O estar vivo, versus um
Existir fictício, nominal,
Abstrato, o pânico do tísico

Viver sem sofrimento, morte
É distinto de medo, atrás
Da emoção, qualquer certeza

É delas, a fé é imortal mas
Acaba, quando não se sacia
O predador, a perda é plural,

O ideal é viver, de resto a pressa
É apenas ter vivido um xamã,
Revelando enfim um monge,

Embora sem credo, religião,
A questão é alcançar a uva chã,
Do escanção o mérito da prova,

A vindima tem época certa,
E o parto sem dor não jaz,
Perpetua a sensação terna,

Quanto as dores do parto,
Assim a vida, quando não dói,
Não vale a pena, contudo

Tem uma hora a meio, um véu,
Em que o destino é harmónico,
Bastardo em si e a um passo

De assustar o medo, a sevícia,
Evocando, de estar vivo a espera,
O cansaço e o abster da liça, a honra,

O distanciamento do muro, o asfalto,
O salvamento dum outro modo,
Não posso afiançar genuíno,

O louro ou o deslumbre do velho,
Podre o povo, a justiça, o gostar
De estar vivo dói e muitíssimo.

Jorge Santos (29 Janeiro 2021)

https://namastibet.wordpress.com

http://namastibetpoems.blogspot.com