Escolho …

 
Escolho

Fugir da translação do trapezóide q’gira
Para um universo paralelo, imaterial 
Antes que aos domingos me culpem 
Da desgraça humana e da oca terra,

Mais funda que o ser de sombra sou,
Sou um ser de vidro verde fosco, roxo
Nem a respiração na cara uso, o oposto
É um acto de humildade de que fujo

Deste pra esse outro mundo, doutor
No repúdio e nas estacas dizendo frouxo
Pois não muito a pleura do rosto deixa e dá
Que a sensação de algo mais que de mim

Sou, cópia de “Orc” imundo, “Ogre” russo,
Óscar do indulto a mim próprio, o insulto 
Me delicia como numa contrição curva e fujo 
Da exterioridade absoluta como o Cristo

Sumido da Cripta cova depois do sétimo dia
Ao lusco-fusco, íntimo da dor, a sova uma 
Carícia mórbida e o sorriso um falso esgar 
Que usa ao Sábado na cara e no Carnaval

Se deita fora, oxalá o crepúsculo dos deuses
Não seja adiado e eu não tenha privilégio 
De escolha por via de ter um resfolgar
Divergente do resto dos rostos criados

Do barro e na boca torta donde me vem 
Impuro, poluto o ar … a mão e a terceira
Falange completa o eixo, pai, filho e espírito-
-Santo, ámen … 

Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Conduz-me a razão.

 

 

Conduz-me a razão
E a razão me desvia
por múltiplos motivos,

Por fora eu sou todo eu,
Por dentro, debato-me
Entre a variante forma

De mim mesmo, funda
E abismo, tão falsa
É a vulgar crença

Que o universo gira
Num disco plano
E com que objectivo,

Mas dentro de mim,
Em ângulo aberto,
Eu fechado; um pobre orgulho

Me conduz, cadinho
Do sentir inferior, 
Mitigo inconsciente 

Um outro mundo,
Escapo aos sentidos,
Como caroço de cereja,

Na glote duma velha,
Necessito acreditar,
E parte nenhuma do corpo

Me provoca isso,
Crio razões tal como o Hebreu
Do crucifixo,

Estimo o que não conheço.
Pelo que tenho visto.
Conduz-me à razão,

Morrem no meu peito opiniões,
Assim é o vício do sacrifício
E a comunhão com os fantasmas,

Dos místicos.

Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Li berdade …

 

 
Liberdade …

Lê verdade , depois “vota” …

Me convenço que sou livre,
Pois voto, sei ler quase tudo,
Vejo mal ao perto,

Li berdade em algum lugar
do “Shopping Center”,
De seguida m’iludem

Não sei ao certo se
Com a mentira ou com 
O erro grosso e descreio

Que sou livre tendo
Realmente acesso vetado
Às Egrégoras e Concílios,

Apenas vejo vulgares montras
Sendo eu de baixa estatura,
Pouco largo de pensamento, 

Receio – minha escura rua, a pele,
Vejo mal ao perto,
Li berdade em lugar de amor,

Não sei onde ao certo,
Se convencem que sei 
Ler o que escrevem, mal escrito,

Mas corro risco de ser preso,
Por delito de opinião,
Quando copio o que leio ou tento,

No muro dos menos loucos,
Pois leio de perto e mal
E nada ao longe vejo,

Que esteja certo,
Nem ontem li berdade,
Me gritava de cimo do muro,

Outro mais louco que eu…
Tsé-Tung / Lenin / Brecht/
Mein Kampf ! Pol Pot …

Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

V de Vitória – Revolução –

Trabalho digno
ou 
V de Vitória Revolução

Julgo que não sou potente 
Quanto um rinoceronte,
Nem inocente é esta voz,
-Motor de explosão-aparento
Reacção em cadeia. Basta!

Sejai pirotécnicos, pavios
E não estrelas d’Hollywood
Decadentes, gastas, mortas.
Napoleão tinha um sonho,
Que não era um sonho,

Na verdade a mão nem era ao peito
Mas na glande e na barriga grande,
Não pode ser inocente a arte de
Quem sofre, nem impotente o lorpa,
Gamela-pote de merda-mixórdia,

Boca pode ser cão d’espingarda,
Não sou escasso quanto o bisonte,
Nem Geronimo acreditava, 
Haver prado pra toda a gente,
Sou potente e é de pólvora

Que vos falo tb. (boa gente qb),
Sejamos, sejai pirotécnicos, gatilhos
Da morte, Revolução é forja,
Ferro e fogo é o mote, o aguilhão. 
Nem mansa é a arte desta glote,

Não pode, nem podem dar-me voz
De prisão, gado gordo é gado morto,
Cavalo bravo é golpe, é galope,
É bairro de pobre, é Maio onde vivo,
Primeiro eu digo -Viva o trabalho

Depois grito – Viva o trabalho 
Digno, derrota não dá escola,
Nem pensão é esmola de preto,
Cinco dedos tem uma mão,
Dois juntos -V de Vitória, acção

É pão …

Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

“Je ne dis rien, tu m’écoutes”

 

 

 

Somente à poesia é que se aplica
A convenção mnemónica de amar sem volta.
Como qualquer fenómeno meteorológico,
Pra ser compreendido, há que ser estudado,

“Je ne dis rien, tu m’écoutes” é o axioma
De ser poeta e eu não consigo alterá-lo,
Mas isso não me explica, nada se explica
Sem ser tocado, somente me reconheces,

Eu não creio em nada, qualquer coisa amo,
Um relógio é uma mesa, igual a beleza 
Dos ramos de uma mesma giesta, tudo
Será esquecido ou apenas eu record’o passado,

Pra ser compreendido há que ser estudado,
Ramos buscam ramos, que seja eu esgalhos 
D’abeto gigante, nada indica que sim, nada se 
Deve achar, a dúvida é em si mesmo um fim,

Somente à poesia é que se aplica, ao agnostico
O tampo da mesa e ao agiota o tempo 
Que se retira a quem se for, mesmo a mim…
Sou conduzido por acidente a um sonho

Sem cura, culpa da memória que divide 
Os erros entre mim e eu infiel, infiéis os líricos,
É a maneira de dizerem o que pensam,
Sem largarem das mãos o céu, só meu,

Sou eu …”Je ne dis rien, tu m’écoutes”

Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Um buraco enorme em mim.

 

 

Um buraco … 

A barraca encarnada,
Sem saudade não é nada,
Como quem perde o destino,
Pesa-lhe a vida passada,

Ainda a julgo habitada,
Pela passagem do tempo,
Esse barraco, era a morada
Do meu sonhar em tempos,

Contará amanhã o vento,
Dentro d’paredes caídas,
Imitação d’Stabat Mater,
Como quem se dá ao inútil, fútil

E sem titulo, de uma vida
Apagada do que fomos,
A barraca abandonada,
Não resistiu ao culto

Do novo, no panteão
Do firme da obra feita,
Do estorvo, mas eu 
Nada sou fora dela,

A barraca é o meu mundo,
Encarnando eu a parte 
Bela dela, barraca,
Barraco encarnado, 

Desgraçados e iguais somos,
Eu a ele, buracos e pregos,
Mais nada. Sem fim,
Um buraco enorme em mim.

Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

(1820)

1820

O mal deste mundo é nem tudo rodar à volta dele,
Por sinal a mim tudo volta excepto o que mais desejo,
Voltar ao mundo segunda, terceira, quarta vez e sempre,
Por isso escrevo detrás pra frente e não de frente pra trás

Mas sempre contra a rotação do planeta pra ser diferente
De toda a gente na Terra e em tod’a roda desta e sempre
Com a lógica de um relógio de água na metafísica de Escher,
Menos arbitrário o pêndulo que Foucault, e o universo 

Tão mais próximo quanto o supúnhamos longínquo
Ou tão a Norte, o mal deste mundo é nem tudo rodar
À volta dele, de mim tampouco, sou o que sente,
Cumpro o ritual das cearas, Copérnico das velas 

Crescendo, solto no ar o que parece ciência sem ser,
Ninguém me conhece tão mal quanto eu, mesmo
Os meus segredos me metem medo sendo a fingir, 
Tomara este mundo possuísse longas pernas

E umas mãos de metro e meio, pra me segurar eu,
O mal deste mundo é nem tudo rodar como roda
Esta pedra redonda, que é meu coração moinho/nora 
Por isso escrevo detrás pra frente e de frente pra trás …

(Joel Matos 1820)

Joel Matos (05/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

“I can fly”

I can fly …

Luar sem telha, casas sem telhado,
Coração vidraça, prova de mudança
Dentro o meu pensar, total o caos,
Rarefeito ar, meu pensamento hélio, 

Luar sem telha, casa sem telhado,
Rara substância, mudo de ser eu,
Cada noite mais escuro, cada dia
Mais breu, a prova-minha covardia,

Coragem sumida, assumo o luar,
Assomo estrelas quase extintas 
Por decreto, sol morto, labirinto,
Sala de jantar, vinho sem gosto,

Luar sem telha, casa sem telhado,
Partida a taça, hálito é vácuo o resto
É existir como se aqui o além fosse
Fragmento, e o que assomo, lugar

Que ainda preciso pra dispersar
Na morte os membros próximos
Do voar, can I fly, flor d’cimento,
Lugar sem peso, natural o medo,

Voar artificial e falso o que penso, 
Luar sem telha, casa sem telhado,
Asfalto, folha ao vento, façam-me
Estátua vulgar, branco pra ser ave

“I can fly”, imperioso ser-se vento,
Pra que se possa voar í’preso.

Joel Matos (05/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

Peixes …


Não me livro desta sinistra coisa, feia,
Que se nota e depois esquece, sou fútil, inútil
Até no que consigo descrever, as sensações
Apenas decoram a minha crença e delas não me livro,

Às vezes dou por mim a pensar,
Se terei nascido do lado errado do mundo,
Pois tudo o que faço, já foi feito 
E mesmo que rasgue este peito,

Fazendo o que mais sei, não surte efeito,
Se é que é um feito, fazer o que tento,
Se o mesmo foi feito por todos,
Nascidos do lado certo de tudo.

Se tive sete minutos da vossa atenção,
Foi o mais íntimo que vivi em vós outros,
Não o tempo que gastámos juntos, não
Somos dois ouvindo, mas um falando só,

Falar queria eu falar, na língua dos peixes,
Pra discursar sobre o equilíbrio
E me livrar daquilo que é ter peso
E não ter nada pra dizer aqui na Terra

Que seja novo ou verdade, mas aos peixes,
Ah, os peixes sinistros, feios,
Deuses me livrem … não me livro desses
Peixes.






Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com