A confissão

A Confissão (de Neruda )

Foi numa noite assim fria que a nostalgia veio ao meu encontro e aqui parou,
Consta não haver antídoto que a derrote e eu poderia continuar fazendo os versos
Mais nostálgicos p’la noite dentro, mas o meu alento depressa voou,
Volteou nas estrelas, atravessou fronteiras, contagiou as violetas e declarou
Às mariposas: esta noite não vai haver tristeza, nem pesar, nem morte.
Poderei continuar fazendo versos com morte, tristeza exposta ou natureza viva,
Mas não me sentirei justificado se confessar apenas que vivo com agrado
Mas foi nesta noite fria que minh’alma inquieta evocou
 Um velho livro que encontrei em Mendoza (Argentina)
“Poesias de Pablo Neruda” dizia dentro: confesso que vivi…
 
Jorge Santos (19/11/2010)
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s