O rio só…

O rio só precisa desejar a foz

 
 
 



(É preciso inventar a foz)

 
O álamo devaneia ao vento
Quando ele sopra nas planícies,
Com o simples roçar das folhas, -completa
Acordes musicais indeléveis-
 
-Diz, quem ó longe ouve o lamento,
Por não conseguir arrancar Raízes
E abalar c’o vento sem rumo certo,
Do chão duro que foi seu país,
 
As gotas nos ramos fogem p’lo regato
Pró mar das ondas como falcões livres
Ou Corvos d’mar emigrados do porto
 
Por’que’não há-de a alma d’ele ser feliz,
Se sonha montado num cavalo solto,
E com’á água, não pára no cais.      
 
(O rio, por sua vez,só precisa desejar a foz
E volta sempre,sem dizer pra onde foi.)
 
Jorge M.M. Santos (06/12/2010)
Http://joel-matos.blogspot.com
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s