Se pudesse…

Se pudesse pegava em mim e seria outra coisa qualquer

 
 



Sou cúmplice de um complexo esquema de fraude,

Nunca tive ofício ou profissão mas sou perito “em nada”,
Se pudesse pegava nos dedos e punha-as na fogueira,
Até se tornarem carvão e com ele tisnava a alma toda,
O que sobejasse, claro, não seria salvo da tesoura (ou censura).
 
A auto-estima é uma harpa, que quando desafinada,
Solta um ruído tosco e em nada igual a voz de gente,
Mas afinal de que me serve o orgulho ridículo e o alarde,
Se minha fala mal afina um gemido dissidente,
E é indiferente a estilos e ao ruído campeão do mundo,
 
Quem conheço não é meu púlpito  nem me contém,
Nos disjuntos segmentos do tempo corrente,
Que julgo nada mais se chamará do que lenta morte,
Todas as teorias determinam a seu belo modo,
Quanto da alma, do espírito e do corpo ele me rouba.
 
Exijo duvidar de tudo aquilo que conheço de vista,
Dos calcanhares, do cabelo e da existência futura,
Pois oculto em cada esconde-se a ilusão de uma lucidez perdida,
E assim amarei mais a razão que julgar conveniente (ou convincente)
De suspeita e falsidade, se bem que nem sempre.
 
 
Se pudesse pegava em mim e seria outra coisa qualquer,
Menos gente.
 
 
Jorge M.M. Santos (2019/12)
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s