Sou de tod’o tamanho

Sou d’tod’o tamanho…

 



Sou de um tamanho que já não mais

Existe,”o desolado d’um comunista”
Em subtítulo (porque o rotulo m´falta)
E imposto p´los partidários rituais,
 
Nas greves, manifestações, etc,etc.
Ser apelidada de “pecadora original”,
É, d’alguma forma bastante formal,
P’ra t’soltares no látex pl’a quantia certa.
 
“Operárias sem trabalho” na manchete,
No suplemento, fotos em pele e osso .
No meu tamanho d’reles Pass’o-
-Tempo de cela, sô mascado c’mun’chiclete.
 
Mas de resto , s’é marginal não s’publica .
Se sou do grand’a tamanho, destacável
No “hemiciclo” ,tod’o crime m’é passível
D’respeito, se (made)in “diário d’república”,
 
E nomeado Doutor “honores causa”.
Do tamanho mediano, corro’ risco,
De ser roubado e devorado p’lo fisco,
S’alcunhei  d’casa,a fossa ,”campa rasa”.
 
Aí (ai aí…) …fico de tal maneira desmedido,
Na vontade cruel, d’estripar os ratos
Poderosos e Senadores prostitutos,
Que nem as vossas prisões me metem medo.
 
Nem o vendido lacaio, jornalista.
Sou de um tamanho, que não mais
Existe, não sou (ainda) título de jornais,… (mas)
Ai, d’ político podre,  que conste na lista.
 
 
Jorge Manuel Mendes Dos Santos 
(2010/10)
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s