A viagem a talvez…

A viagem a Talvez…

Precisei de vir, pra chegar aqui,
Não preciso reclamar a chegada,
Mas a bagagem de uma vida sim,
Porque a viagem não é um desejo,

É uma obrigação, apesar
Da partida não ter sido reservada,
Mesmo assim fazemo-la
A partir de quando se nasce,

A bagagem é o processo e o conteúdo
Do caminhar que se quer lento,
E medido a palmo, de que a jornada
É apenas um meio físico, o veículo, a escada,

Que não conta à chegada,
Mas numa vinda que se quer serena,
E a sorrir de uma forma rural,
Abençoam-me inclusive os pregos

E os cardos agridoces da oval estrada ou via
Que usei pra vir aqui reclamar a bagagem.,
Precisei de vir pra chegar aqui,
Senão o coração portagem,

Fechar-se-ia antes de eu aqui chegar,
E eu pediria que não, talvez
Não antes de reclamar a bagagem,
Suspeito que ele se abriria,

Tal como uma passagem de nível,
Onde o maquinista abranda, pára
Para saudar o guarda, com um aperto de mão
E depois prossegue viajando comigo,

A minha bagagem segue no furgão 44,
Das onze e um quarto,
Até ao fim da linha do talvez…

Joel Matos (01/2014)

http://joel-matos.blogspot.com

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s