Louros de poeta…

Às vezes mesmo a mim pergunto,
Que é feito do paraíso tão falado,
Tão só, sem mim, que sentido tem,
Terem as casas tantos lugares vagos,

Carros caros, paredes caiadas,

E tão poucos bares no paraíso,
Pra beber absinto e um numero, cada vez
Menor, destes poetas malditos, ébrios,
Dum peso nas asas, não só carrego

De penas, mas todas desta humana
Indigestão, que é ser poeta rasco,
De poucas dezenas e um pouco
Menos que papel higiénico cagado,

Pra usar na sanita dos Homens,
Mesmo desses soldados rasos, rudes
E parvos, como o crude de casco,
Que impermeabiliza navios de chumbo,

De cor de mastros tricolores de guerras
Perdidas,às vezes pergunto a mim,
Que é feito dos lugares maravilhosos,
Que havia no mundo e eu no fundo

Deles, fazendo parte de mim esse
Mundo de verde azul e alaranjado,
Que é feito do fundo da garrafa,
Donde via o paraíso como astrónomo

Da alquimia, da natural alquimia,
Minha mesa com flores e frutos,
Meu Deus que é feito disso tudo,
Responde, se és mudo, porque me deste

Penas e não me fizeste mudo, cego
E carrego de carroça burro, burro besta,
O tal sem lugar vago no paraíso
Dos humanos, nem na gruta do menino,

Às vezes mesmo a mim pergunto,
A razão dum carro de bois qualquer valer,
Mais que um tratado sobre perucas,
Ou verrugas de pensadores, feias

Disformes ou de diarreicos escritores,
Psicóticos como eu, os louros…

Jorge Santos (01/2015)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s