Pressa


Não tenho pressa,
A pressa é um apache,
Que me passa adiante,
E a mim não me apraz,

Embora ficar pra trás,
Não me adiante à presa,
Que nem tenho, por não
Ser capaz de ter pressa,

Sou capaz de sentir,
O que me interessa,
Mas pressa….
Tão depressa não,

Água na boca, perante
Um paladar, isso sinto devagar,
Uma limonada ou um absinto,
Uma chapada, antes de a levar,

Sem pressa pressente-se,
Quando a mão vai no ar,
E o copo quando cheio,
E cheira ao vício,

Mas como disse,
Não tenho pressa,
A pressa é o benefício
Do presente,

E eu sinto o futuro,
Como uma pedra,
Atirada no ar,
Não olho pra trás,

Nem escrevo romances,
De Tolstoi,
Sou Apache por inacção,
E por vezes Comanche,

Mas covarde não,
Covarde eu não.

Joel Matos (02/2015)

Anúncios

One thought on “Pressa

  1. De nada me serve tentar parecer forte
    se esta força não servir pra dar a ninguém
    nem sentir eu por quem ou alguém outrem
    pode ser que revolta minha falsa nem falta lhes faça

    Talvez um dia mude a modesta sorte à força
    e alcance um cem numero com um murro
    ou uma pedrada no charco e faça diferença
    monstra nas letras desta montra desta Terra

    em cinzas

    Jorge Santos (02/2015)

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s