Gare da Casa branca,

Desejo nem sentir nem pensar,
Nem um nem outro são brancos
Tanto, como a convicção que preciso
Pra não ter coisa alguma,

Nem estação nem apeadeiro,
Para emoções sem destino,
Como as que tenho, sou livre
E contudo nada sou senão

Prisioneiro do existir e do
Querer que não quero saudar,
Não por moda ou desuso,mas
Separar-me dele é doloroso,

Requer desertar do corpo,
Coisa que nem sei se posso,
Salvo impor silencio ás sensações,
Quer as invente, quer às reais

Principalmente fora do corpo,
Que é onde me fundo e o meu chão
De estação centra,l ou gare
Escura mas com privilégios de tudo

O que é mundo, por isso desejo
Nem sentir, nem pensar como
Toda a gente,ser livre de destinos
Impostos pelos materiais que geram

Os sentires de mim e de tudo…

Jorge Santos (25/08/2015)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s