Sendo eu outro

Num poema vão as passadas
Comigo e o retrato meu que
Toda a gente conhece mas
Não (como um confessionário

Onde o frade ouve e não sente)
O poema enfrenta o tempo,
A natureza e quem o lê…
Por vezes estremeço ao ler

Um poema meu e sinto
A ansiedade do momento
Em que pari e a dor do facto,
Como ninguém mais, mas

Dessa maneira sinto o meu
Pensar passado um tempo,
Como se fosse o auto-retrato,
Doutro que conheci faz tempo

Como sendo, eu outro …

Jorge Santos (01/2016)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s