Garças voam e não voltam …

Falando de Garças,
Dessas que chegam 
Onde o meu olhar é 
Céu, Dessas que voltam

Assim que a chuva acaba,
Nas costas do gado,
Melancólicas, como
Se possuíssem seu

A alma do prado,
Não só nas penas
Mas na certeza ou dúvida
De serem atalaia

Da vida e da Terra,
Pra que não a violentem 
Enquanto esperam
Nas costas do gado,

Assim que a chuva passa,
Falando das Garças
De que a gente, tão
De perto ignora e olha

Olha e ignora,dessas
Que voam e voltam
Voam e voltam
voam e não voltam.

Joel matos (02/2016) 
http://joel-matos.blogspot.com

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s