Jorge Santos (namastibet)

Príncipe... eu... ?

 

 

Quinta-feira,25 Abril de 2013, Setúbal- Portugal

Nasci em Grândola-Portugal, em 1961 a 3 de Julho, na vila que deu o mote para a canção da liberdade em Portugal, (Grândola Vila morena) no dia  25 de Abril de 1974,os meus pais tinham abandonado fazia pouco tempo o trabalho do campo nessa zona do país de grande proprietários tradicionalistas e baixos salários, daí terem migrado para uma cidade maior e nesse tempo, mais industrial, Setúbal.

Começou em Setúbal meu pai como trabalhador na montagem automóvel, um pouco mais bem remunerada, mas que o obrigou a abraçar a profissão de Barbeiro, primeiramente por conta de outrem num espaço que ainda existe no centro da cidade (Salão Bocage) mais tarde iniciou actividade por conta própria num pequeno estabelecimento do bairro do Liceu em Setúbal, (onde ainda hoje ainda trabalhamos, apesar deste ter 81 anos de indómita juventude) revelou-se uma condição,a de trabalhador independente, mais compensatória para ambos que o trabalho sazonal do campo a que estava sujeito no Alentejo Português ou o trabalho de linha de montagem industrial e rotineira, apesar de tudo, aí era mais bem pago, mas muito duro, também eu trabalhei na industria naval embora estudasse durante a noite, pensei  tornar-me num cinzento advogado de divórcios e outras causas litigiosas mas felizmente não segui esse caminho.

Cedo surgiu em mim o gosto pela aventura e pelos grandes espaços e foi como uma bola de neve que fui travando conhecimento com aventureiros e escaladores assim como o primeiro escalador Português do Evereste, João Garcia com o qual comecei por conhecer os Himalaia e os Andes Chilenos.

 Durante os 13/14 dias em que percorri o GR 11 a pé, desde Irun não parei de pensar na próxima aventura e pareceu-me apropriado que, se conseguia correr os 800 km e 40.000 metros de desnível acumulado do GR 11, desde o Atlântico até Cap de Creus no Mediterraneo (apenas mais seis ou sete dias que o célebre Catalão Kilian Jonet, com metade da minha idade) como já tinha feito de bicicleta em sete dias o Caminho de Santigo Francês e cruzado em Burgette/Roncesvalles os Peregrinos que se dirigiam a santiago pelo que o mais apropriado seria cruzar de bicicleta, (por etapas tal como tinha feito estas duas travessias da península Ibérica) toda a zona Continental contínua da China até ao extremo ocidental da Europa mais ou menos pelo mesmo paralelo da península Ibérica e ainda mais porque todo o fluxo histórico parecia vir desta direcção, todo o comércio não só da seda mas da sede de conhecimento humano.

Talvez fosse mais sensato descer toda a América de bicicleta, com maior segurança, mas as cidades mais importantes estavam na Asia Central, Samarkand, Bukhara, Khiva, Urgench ou Merv e Portugal ou a Espanha tinham ditado o fim dessa rota milenar, nada mais apropriado que prestar homenagem as Caravanas e aventureiros que se haviam perdido nesses caminhos tal como Marco Polo e outros, sem registo nas histórias contadas junto das fogueiras dos acampamentos sob as estrelas que ainda hoje são as mesmas e que me servirão todavia de tecto.

Será a primeira vez, que irei percorrer um tão grande número de quilómetros em tão poucos dias, sou Português por nascimento e barbeiro de profissão, o tempo de descanso é curto e dependo unicamente do meu trabalho,pelo que tenho de tirar partido do pouco tempo livre e fazer o máximo nesse espaço de tempo, neste caso 4.500 em trinta dias, quase a distância de Madrid a Moscovo num mês, ou seja, terei de percorrer 150 quilómetros por dia sem descanso durante esse espaço de tempo.

Será a primeira etapa de um plano ambicioso em que tenciono pedalar até ao extremo mais ocidental da Europa, o cabo Sardão nas praias de Portugal no Alentejo.

Comecei por pedir a aplicação do visto para a China no passaporte (disseram-me na agencia de viagens onde comprei o bilhete de avião que não seria necessário visto para o Quirguistão) demorado e burocrático foi este visto para a China,, fazendo-me sentir como seria difícil o percurso num dos maiores países do mundo mas também um dos mais burocráticos.

As próximas fases serão o fazer listas o mais concisas possível dos objectos a transportar, arrumá-los e depois ir retirando tudo o que não for absolutamente necessário a sobrevivência diária, a roupa,-á parte os calções almofadados de ciclismo-, será comprada nos mercados locais para me parecer o mais possível com os habitantes de cada região  da Ásia (cada uma delas do tamanho de países como a França a Espanha ou a Polónia)

Lembro-me, passados tantos anos de uma série de televisão que me iluminava os olhos e a alma apesar de ainda ser a preto e branco. Ah, e aquela música de Kitaro emocionava-me pela magia dos novos sons orientais,(The silk Road) Kitaro era o musico Japonês que compunha a banda sonora e teve aquela musica a faculdade de um despertar para o oriente e para a mítica rota-da-seda, algo até então longínquo como hoje ainda é, as cidades chinesas e todas ao longo desta rota milenar modificaram-se entretanto mas espero ver um ultimo vestígio das imagens com que aprendi a conviver faz quase 40 anos, na serie televisiva que esperava semanalmente ver no minúsculo ecrã ,um aparelho ligado a uma bateria pois não possuía electricidade em casa, isso eram coisas de meninos ricos e a minha casa era no campo, quase sem caminhos nem agua  canalizada ou casa de banho como hoje dificilmente conseguem imaginar.

Lembro-me da inveja que tinha dos outros meninos da escola, falavam de ouvir música num gira-discos e eu nem sabia o que isso era, agora não invejo os “sedentários” dos meus colegas de turma, um deles bastante famoso, José Mourinho, mas com o qual, não trocava a liberdade suprema, de me perder na vastidão do mundo.

Talvez por isso sinta mais afinidade com estas civilizações do mundo do fim do mundo, do que com o acanhado ocidente, dito civilizado e homologado…

Há duas vias ou formas de alcançar o Ocidente vindo da China através do deserto do Taklamakan ou pelo norte via Turpan e Urumqui,ou junto a fronteira do Tibet por Golmud e yarkand, no coração do deserto de areia quente, será esse, o meu percurso, o mais longe possível dos autocarros de turistas que insistem em visitar a imponente muralha da China e em transformar as rotas da seda em mais um circo ou uma Disney, no fim do caminho Chinês, estará uma cidade muito importante desta rota milenar, Kashgar onde confluem as varias vias para o ocidente e também o caminho Norte Sul para o Afeganistão e Paquistão que dava acesso a antiga cidade de Karakorum na Mongólia a norte do Altai, e que ainda dá o nome a uma das mais altas passagens do mundo o Karakorum pass.

Torugart pass será um dos pontos históricos mais importantes desta primeira etapa por existe aí um caravansary (local fortificado e refugio de caravanas durante a noite)em bom estado de conservação onde poderei sentir alguns restos da poderosa energia que levou os homens a caminhar para ocidente.

Tenho viagem marcada no fim do mês de Junho em Bishkek no Kirguistão, antiga república da Confederação Russa e um mês para pedalar entretanto,rumo a esse destino, começando em Xi’an, berço da China actual no dia 30 de Maio de 2013.

Em 2014 Retomarei de Bishkek, o caminho até Istanbul através do Irão e do monte Ararat, o monte da fantástica arca de Noé e em 2015 cruzarei, se Deus quiser, Alá ou Confúcio a Europa até ao cabo mais ocidental, o cabo Sardão nas praias de Portugal.

Jorge Santos (namastibet@gmail.com)

http://namastibet.blogspot.com

Anúncios

5 thoughts on “Jorge Santos (namastibet)

  1. Olá! Esta é com efeito, a 1ª. vez que visito o seu blogue. Na realidade fiquei fascinada com o seu tipo de escrita, pela forma como se expressa, pela fluência de ideias…de certa forma, é “um indignado”, tal como eu. Estarei atenta…

    Beijinhos 🙂

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s