Ás vezes quebro (Hitler puff … )

Ás vezes quebro.

Às vezes quebro,
Como prato vazio
E a expressão de quem 
Se não enquadra
Mas finge pular à corda,
Com os que quebram não,
Pois minha missão é ser único, 

Ás vezes me quebro,
Tal e qual louça,
Os bocados são meu céu de cal,
Não algo que se veja,
Sabotado por mim, invoco o cinzento
Sem encanto,
Hitler puff …

Ás vezes trago
Sem querer, despido
O que penso,
Pois sou aquele
Que nasceu sem se conhecer,
Pra quem tudo é estranho,
Prato ou bacio, Graal sacro,

Raso eu, vazio d’paixão
Hitler puff …
A existirem enigmas,
São o inverso de mim,
Que me revelo numa espécie
Sem perdão, somando ilhas
Do sul da Índia como “Nosferatu”,

Tenho o dever 
De ver símbolos sem os haver,
Apenas pelo dom de desenhar
Na vidraça um ser vil
Que nunca vi,
Sendo eu ficção, sem ser fictício ele, 
Minha missão

É ser único, servil eu não,
Persigo o que sinto,
Digo o que penso por dever cívico,
Hitler puff … ´
Ás vezes corro.

Joel Matos (02/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

Anúncios

Quando as pombas desapareceram …

 

 

 

 

Viver não é necessário,
O que é necessário é criar,
De facto nas tardes d’verão,
Creio-me figurante do que creio,

Finjo-me uma vila sem a ver, a
Vi, aí vejo movimento sem haver,
Vidas sem grandeza em si, sem
Tempo ou propósito, acreditar

No que vejo não é objecto
Do meu sonhar, no entanto
Sonho, creio que o sonhar
É feito no propósito de vida nem

Ter, é isso a sensação d’ver
Vida numa vila sem que se 
Mova a realidade dum ponto fixo,
Tão real quanto nós somos,

Sem sermos, criados pra haver
Realmente sonhos sem os vermos,
Nesta vila sem vida, sem tempo,
Sem certeza, apenas sensação sem-ser,

Sinto-me multidão, sem “de-facto”
Viver, não é necessário, o
Necessário é haver sonho sem
Haver de facto verão, ou vila-flor eu vir

A ser, pomba ou pulga, purga em
“travessa do fala-só”…

Joel Matos (02/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

Não tenho pressa …

 

 

 

Não tenho presa nenhuma dúvida que seja,

Não tenho presa dúvida nenhuma a mim,
Absolutamente nenhuma à solta dentro
Do corpo, nas solas as mãos terminam
Onde começam os quatro sentidos d’outros,

Sinto definitivamente não ser ninguém
Neste mundo, demito o tornar-me nesse
Rei do vulgar e do vulgo tal e qual morto 
Em lugar findo deste reino onde não reino

E sem dúvida não é meu, demito-me inda
Do peso de sentir por todos a lua que seja
E o mistério dos braços prenderem o corpo
À alma e das gotículas de geada os dedos,

Quadrados cotovelos e o coração absoluto
Zero (noves fora), prefiro as solas aos sapatos
Que alego serem meus e depressa, antes 
Que dêem pla falta deles manhã cedo,

Antes do começo dos outros e meu eterno
Delito, término e gémeo falso do infinito,
Qualquer dúvida fica inteiramente entre
Mim e a fala e até que, do falar m’esqueça, 

Não tenho pressa …

Jorge Santos(02/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Em Parte, confesso-me …

 

 

 

 
Confesso-me contínuo do espaço,
Tudo que faço, fazia dantes,
As pontes passam e eu sem
Mudar d’sítio qu’me sento, qu’faço 
Do rio que passa por debaixo,
-Pedra, papel ou tesoura-

Pobre d’mim, supondo-me ponte…
Confesso à margem “leste” optar
Por esta, mais jovem que a 
Outra, longínqua me parece,
Descontínuo é o rio que m’atravessa,
Normalmente caminho sobre ele,

Tudo que faço, fazia dantes,
Continuo alternando o que me 
Define, erro é não reconhecer
O que me impele que atravesse,
O motivo, tão somente porque 
Da ponte não passo, ela por mim sim,

Tempo é, de voltar a ser rio,
Cingindo-me às margens onde minhas
Mãos germinam, em espaços e rochedos
Contíguos à dor, ao sofrimento, 
Conforto-me na tristeza, amo
Tanto quanto odeio a matéria de que faço

Parte, confesso-me feliz com o pôr-do-sol
E triste como um entardecer,
Continuo a regular-me plo visível e o que me
Explica cultivo debaixo de “totens” e pontes,
Tudo que faço, fazia dantes em parte,
Confesso-me …

Jorge Santos(02/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Em Vila, Praia ou Âncora …

 

 

 

 

Não fosse chuva eu já ser, 
Mar não me faria …
Vila, praia ou âncora forte,
Trafalgar, “V de vingança”, 

Caio com’a chuva cai
Sinto-me não gente, 
O que quer que diga
É brando leve … leve,

Há quem louve ou ignore
A chuva, mesmo a séria
À janela e ao algeroz da telha,
Mas à chuva caio em mim,

Persigo o ritmo da que cai,
Branda e leve leve e pura,
Fura-me a pele e a mente,
Sinto-a tanto, sou gente

Ao d’Leve, leve branda a pele,
Que m’enleve o vento,
Levo o tempo, imortal
Me fez, m’faz chuva e chover

Fará outro e outros, chuva 
A ter, valsa da chuva, valsa
Dos monstros, angústia
É sentir peso, a chuva não dói,

Caio com’a chuva cai,
Sinto-me vivo e leve, 
Chove com paixão,vejo
No mar em frente uma ilha

Lá fora a barca, o paúl ao mar
Inútil lhe parecia, um braço,
A espuma e a praia, rente
À minha saudade parceira

E uma tarde mansa de estar
Na beira do que sinto,
Serem as gaivotas tantas
Por mim chiarem,

E ao meu ritmo d’galgo,
Talvez sentindo paz
Nesta minha dor, algo
D’mar partindo, mar de s’achar

Entre a espuma e eu a dançar
E o que a praia pintada d’branco
Me transmite em ondas
De ausência fria, chove em mim,

Tal e qual em gente,
Caio com’a chuva cai 
E o quer que diga sinto,
Ou é a frio ou lava rubra, 

Faúlha quente, mas sempre,
Sempre caio, com’a chuva cai,
D’enviesado e d’frente,
Brando e leve, fura-me a pele, 

Fosse chuva eu ser,
O mar me faria em temporal,
Faísca, pranto, brado e
Branco quando quebrado, 

Em Vila, Praia ou Âncora forte,
Trafalgar, “V de Victória”
Ou morte …

Jorge Santos(02/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

As estradas fora d’alcance …

As estradas fora d’alcance ao Homem,

Eu sou o oposto de tudo que é nítido, sonho déjà-vu,
Que não procura factos verídicos no seu conteúdo,
Desejo e Sonho a sequela do sonho que detesto,
Sou aquele que procura semear em terra alheia
A discórdia por deuses que não tiveram seguidores,

Sou o engaço de mim mesmo, margem de rio-
-Meio. Sinto-me um contabilista ilógico
E contar ouro, não sendo importante,
A bem da verdade não conto, faltam-me números, 
E os axiomas que afirmo, meus não são

Mas d’outros, assim como a opinião, pouca
Tenho, creio no que conheço por simpatia,
Mas principalmente se tiver “patine” preta, 
E um pouco mais que eu, em altura ao peito,
Flutuo sobre cidades e serras ao jeito de um mago. 

Acima delas me inspiro ainda que poucos percebam
O sentido que é imperceptível a olho nu, o buraco
Da agulha e o palheiro, não existiriam fábulas
Sem mim, nem lugar pra Aleister Crowley no cais
Dos Infernos. O paradoxo é um sufismo com 4 vias,

Todas elas escolhas adequadas, explicam a criação
Do bem e do mal, do real e do sonhado, do mistério
Ancestral dos anjos terem asas nas costas e voarem
E os homens pés, meias e botas que prendem ao chão
Cientes das estrelas se acharem eternamente no céu,

Fora d’alcance ao Homem, não às gaivotas do mar
Pra quem as estrelas são estrada e o temporal casa…

Joel Matos (02/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

Meu cabelo é água e pêlo, sonho é sentir vê-lo…

Meu cabelo é água e pêlo,

Acho-me estranho da ponta do pé à raiz
Do cabelo, dilui-me como água a ignorância
De não percebê-lo a pensar, será que
Estou doente ou dói realmente cada pêlo,

Desperta-me antes que desperte o dia
E antes que comece a ser ou não eu,
Meu cabelo é de água e sonho feito pêlo,
Assim sendo o que penso é infiel à boca,

Fala numa língua estranha que só eu entendo,
A não ser que caia chuva e neve de gelo
No meu rosto demente de actor sem público,
Mostro que sei qualquer coisa útil apoiado

Nos ombros de cegos com real visão de tudo,
Excepto do próprio eu, entre nós um muro
Que apenas cai quando durmo ao relento,
Caindo sou outra pessoa, noutro universo além,

Meu cabelo é água e pêlo, sentirá ele meu pensar
Ou quantas vezes sonhei entre florestas d’almas,
O enigma é minha alma seguir numa direcção
Que ninguém conhece, como uma confissão celeste

Definida plas linhas da mão que são Leste/Oeste,
Apenas “esses e zês” ao acaso a palma da mão toda
E da ponta dos dedos, às raízes do pouco cabelo, 
Acho isso tão estranho como vê-lo a brilhar,

No espelho e os destinos por abrir, sonho é o sentir
Numa língua que só eu entendo porque não existo 
Nem tenho forma, quando estou de mim fora,
Sou uma soma de tudo quanto posso nem ser,

Meu cabelo é água e pêlo …

Joel Matos (01/2018)
http://joel-matos.blogspot.com